Parem de sobrecarregar as mães de culpa.

Correndo o risco de receber uma chuva de ofensas, vamos lá!
(de antemão, a ofensa não será recebida e ainda será bloqueada).

A culpa materna é um dos fatores mais preponderantes nas queixas trazidas pelas mães. É uma das questões que mais trazem sofrimento.

É fácil “se livrar” dessa culpa? Não, não é! Principalmente pelo fato de ter milhares de pessoas dizendo como você tem que ser uma “boa mãe”.

Qual seria esse conceito de “boa mãe”? 

Pra você ser “boa mãe” você precisa ser/fazer isso e aquilo… você não pode ser/fazer isso e aquilo (a lista é infinita). 

Foto por Andrea Piacquadio em Pexels.com

Primo pelas relações saudáveis? Claro, relação saudável consigo, com o outro e principalmente com os filhos. 

Mas a forma como isso tem sido cobrado é até cruel. 

O acesso a informação tem trazido efeitos positivos no que diz respeito ao cuidado com nossos filhos. Mas também tem trazido efeitos negativos, a sobrecarga emocional ocasionada pela culpa é uma delas.

A mãe é antes de tudo um Ser Humano, passível de erros e falhas como qualquer outro. Também iremos errar com nossos filhos, isso significa que seremos mães ruins? Não!

Outra questão: nossas mães erraram conosco? Sim! Mas a sua mãe não é culpada de todos os seus problemas e dificuldades. Sua mãe criou você com o conhecimento que tinha, com o acreditava ser certo, dentro das suas limitações e dificuldades. E muitas vezes sem ter consciência das dificuldades.

Elas também acertaram muito. Lembrem-se disso! Ao culpar sua mãe por tudo, lembre-se, você tem autonomia para buscar a mudança, não transforme isso em mais uma sobrecarga para os seus pais. Precisamos ter responsabilidade sobre o modo como nos sentimos e o que faremos com isso.

Parem de julgar e olhar torto uma mãe quando você vê uma criança que você considera que está agindo de modo inadequado. A própria sociedade nos empurra goela abaixo crenças como: cadê a mãe desse menino? O que ela está fazendo de errado?

Foto por Kristina Paukshtite em Pexels.com

Parem de procurar defeitos, de fazer críticas sobre questões que não sabemos. 

Parem de procurar (mais) culpa pras mães.

O objetivo de ajudar mães não é dizer o que elas tem que fazer, como fazer… e que se não fizer ela será uma mãe ruim.

É acolher, apoiar, respeitar, ser empático! E ser empático significa respeitar as escolhas dela e não impor o que você acha que é melhor.

Apoie uma mãe! 

Mulheres, parem de criticar umas às outras, apoiem-se!

Suzanne Leal
Psicóloga

Deixe uma resposta