Como a Depressão Materna pode afetar os filhos

A Depressão pode impactar não somente a vida da mãe, mas também a vida dos que estão ao redor, os filhos particularmente, são os mais vulneráveis neste quesito.

As consequências negativas podem ocorrer desde a gestação até o puerpério ou enquanto durar o episódio depressivo da mãe.

Na gestação, a vivência de situações de estresse podem afetar diretamente o feto, aumentando a probabilidade de parto prematuro, pré-eclâmpsia, dentre outros. Uma gestante com dificuldades emocionais também pode recorrer ao uso de substâncias que possam prejudicar o feto, além de serem menos propensas a cuidar da própria saúde.

Foto de Keira Burton

Após o nascimento, a depressão vivenciada pela mãe pode prejudicar o desenvolvimento sócioemocional da criança. Ressaltando que a depressão pós-parto pode influenciar negativamente na relação mãe-bebê, prejudicando o desenvolvimento neurológico da criança. Em alguns casos, se não tratada, a Depressão pós-parto pode levar a mãe a tentar o suicídio.

No entanto, devido a romantização da maternidade e a exigência social de que a mãe esteja sempre feliz com o nascimento do filho, muitas se calam e não falam abertamente sobre seus sentimentos.

Por isso, gestantes e puerpéras com sintomas depressivos devem ser acompanhadas por profissionais da saúde mental.

Referências

Depressão Pós Parto e Confiança Materna: A relação entre depressão pós parto e o sentimento de incapacidade materna (Flávia Arante)
A maternidade e o encontro com a própria sombra (Laura Gutman)

Suzanne Leal
Suzanne Leal

@maternidadeedor

Quer publicar seu artigo no Diário Ampla?

Clique aqui e saiba como.

Deixe uma resposta