woman wearing black long sleeved shirt sitting on green grass field

O rancor e o luto


Passamos a vida falando mais de raiva do que de amor; apontando e criticando, mais do que elogiando; falando do outro, mais do que falando com o outro.

Há muito tempo escuto (e cada vez mais tenho certeza) que só temos o presente e que esta devia ser nossa filosofia de vida, viver o presente.

publicidade

No entanto, vivemos remoendo o passado e ansiosos com o futuro (achando que lá na frente teremos uma vida melhor). Só temos o presente, só temos o agora. Mas esquecemos de viver esse presente.

Remoemos o passado, remoemos palavras, atitudes. Não perdoamos o outro, nem nos perdoamos.

Graças ao crescimento e a maturidade, muitos chegam ao estado de resiliência, encontram o sentido da vida e sabem que carregar lixo faz muito mal. Ao contrário do que alimentamos em um momento de raiva, o rancor só faz mal a quem o sente.

Remoer adoece, desgasta, deprime, nos torna infelizes.

Mas por egoísmo, egocentrismo, orgulho… insistimos em alimentar o rancor, a raiva! O rancor fica ainda mais pesado e difícil de resolver quando perdemos alguém (ou estamos preste a perder).

publicidade

A angústia do tempo perdido, não vivido. O remorso misturado a dor por alguém que não está mais presente, torna o luto uma passagem desesperadora, um buraco negro permeado pela dor.

Talvez o luto nunca passe, se torne patológico. Há pessoas que nunca mais conseguem viver em paz e se afogam em sua própria dor. Outras pessoas conseguem se perdoar e encontrar paz.

Sinto pelos que não conseguem, pelo que perderam, pelo que não viveram. Sinto pela dor da alma que talvez nunca mais encontre paz.

Por isso, perdoe a si mesmo, perdoe o outro. Nem sempre temos maturidade, mas a gente aprende a tê-la. A maturidade é uma construção espiritual, tem relação com o fato de encontrarmos nosso caminho e a certeza de sabermos quem somos.

Entenda que alimentar rancor é vida perdida, é destruir um pedacinho da sua alma a cada dia.

O rancor dá espaço para o adoecimento, um adoecimento silencioso que aos poucos invade o seu corpo e sua mente.

A busca pela paz é o melhor caminho para viver o hoje!

Suzanne Leal
Suzanne Leal

@suzannelealpsi

Publique seu artigo gratuitamente.

Clique aqui e saiba como.

Você também pode gostar

Pesquise por categoria

Deixe uma resposta